"Pois estragar a própria vida é um direito inalienável"

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Sob o olhar do Twitter - Questão 111 (Enem 2010)

"Vivemos a era da exposição e do compartilhamento. Público e privado começam a se confundir. A ideia de     
privacidade vai mudar ou desaparecer.     
O trecho acima tem 140 caracteres exatos. É uma mensagem curta que tenta encapsular uma ideia complexa.     
Não é fácil esse tipo de síntese, mas dezenas de milhões de pessoas o praticam diariamente. No mundo todo,     
são disparados 2,4 trilhões de SMS por mês, e neles cabem 140 toques, ou pouco mais. Também é comum en-    
viar e-mails, deixar recados no Orkut, falar com as pessoas pelo MSN, tagarelar no celular, receber chamados     
em qualquer parte, a qualquer hora. Estamos conectados. Superconectados, na verdade, de várias formas.     
[…] O mais recente exemplo de demanda por total conexão e de uma nova sintaxe social é o Twitter, o novo     
serviço de troca de mensagens pela internet. O Twitter pode ser entendido como uma mistura de blog e celu-    
lar. As mensagens são de 140 toques, como os torpedos dos celulares, mas circulam pela internet, como os tex-    
tos de blogs. Em vez de seguir para apenas uma pessoa, como no celular ou no MSN, a mensagem do Twitter     
vai para todos os “seguidores” — gente que acompanha o emissor. Podem ser 30, 300 ou 409 mil seguidores."   
MARTINS, I.; LEAL, R. Época. 16 mar. 2009 (fragmento adaptado). 

E agora?

Prova cansativa da piula! Sou mais o treino da Isa... Nariz escorrendo, pensamento em outro lugar... mas sempre volto a realidade fria e sem graça da seguinte questão:
E se não acontecer pra mim?

Bem, digamos que tenho um plano B: trabalhar até a próxima chance. Mas é que eu quero tanto realizar esse sonho agora. Quero que as coisas aconteçam ano que vem. 2011 será o primeiro ano para o amadurecimento e quero vivencia-lo de forma diferente. Um pouco mais independente e começar a transparecer segurança pra quem eu mais desejo ao meu lado não seria nada ruim. O ano que está para chegar está cheio de mudanças e já que são inevitáveis... que venham! Estou pronta para mais um “fim de temporada adolescente”. Estou pensando até em mudar de lema. De “deixa rolar” para “faça acontecer”.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Lançamento DVD Maria Gadú dia 27/10

Abalou!!! Acho que vou ter um treco!!!
olha aew:

"Maria Gadú é uma das maiores revelações da MPB dos últimos anos. A cantora começou a se destacar no cenário musical em 2008, quando começou a tocar em bares da Barra da Tijuca e da Zona Sul, no Rio de Janeiro. A partir daí, despertou a atenção de famosos ligados ao meio musical, como Caetano Veloso, Milton Nascimento, João Donato, dentre outros. Convidada pelo diretor Jayme Monjardim para interpretar "Ne me quitte pas", na minissérie "Maysa - Quando Fala o Coração" chamou atenção da Rede Globo e da gravadora Som Livre que a contratou e lançou seu primeiro álbum homônimo em 2009.
Maria Gadú parte para um novo desafio: gravar seu primeiro DVD. Em parceria com o canal Multishow e a gravadora Som Livre, a cantora registrou o show que realizou durante um ano por todo o Brasil para a faixa "Multishow - Ao Vivo". O show inclui novas músicas e participações especiais, como Os Varandistas, Leandro Léo e Sandy.O Multishow exibe a apresentação com exclusividade dia 26 de outubro, às 22h. No dia seguinte, o DVD será lançado nas lojas de todo país." fonte: lounge da gadu
video
Dona Cila -Maria Gadu
Conheci seu trabalho através de Maisa Matarazzo. Estava ouvindo “Ne me quitte pas”, música que ficou famosa na abertura de “Presença de Anita”, e resolvi procurar por outras versões e acabei esbarrando com a da Gadu. Procurei mais material e baixei o CD. Apaixonei-me pela sua voz e suas músicas. Tive a oportunidade de ir a dois shows e posso garantir que foram os dois mais belos que já vi. 

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Fear

Acordar um dia e se dar conta que parou no tempo, de evoluir, sentir vergonha disso... talvez tenha sido o pior que me ocorreu nos últimos tempos. Descobri que tenho a necessidade de sempre ter um desafio, um obstáculo para superar. Não suporto mais esses dias relaxados. Eu preciso passar por algumas mudanças, mas só de pensar nisso sinto medo. Medo das mudanças não serem necessariamente para melhor, de perder muita coisa que gosto. Plantei sementes há muito tempo, mas agora, na hora de colhe-las, não as quero. Ou melhor... tenho medo do que se tornaram. Então continuo presa nesses dias calmos não por opção, mas por medo do que está por vir.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Filmes

Película revestida com uma emulsão sensível à luz, e na qual se registram as imagens em fotografia e em cinematografia.” Mas não é apenas isso, é? Apenas uma seqüência de imagens que colocadas em ordem e passadas na velocidade correta dão a impressão de movimento. A arte de imitar a vida que proporcionando as mais diversas emoções não pode ser tão minimamente descrita. Tenho que admitir que uma das minhas paixões (depois de pérolas e flores, claro^^) são os filmes. Não importando o gênero, ou procedência, os amo pela sensação que me passam. Ficar nervosa na entrada do cinema quando um filme foi muito aguardado ou simplesmente apaixonar-se por uma história de que nem se esperava tanto. Não se tem uma receita de como produzir um filme de sucesso, até porque nenhum filme agrada a todos, mas de uns tempos pra cá o que mais se vê nos cinemas são grandes produções cheias de efeitos especiais e pouca história. Filmes que você assiste e pode até lembrar das cenas mais extravagantes, mas que não emocionou ou te acrescentou em nada. Onde estão as belas histórias? As atuações magníficas? Os cenários a céu aberto? Definitivamente trata-se de uma evolução na indústria cinematográfica, mas sinto saudades dos filmes que retratam o simples cotidiano, ou filmes que te deixam com vontade de vivenciar aquele roteiro ou visitar a cidade em que foi gravado. Filmes que mexem com você, que te emocionam, que te fazem torcer pelo mocinho ou detestar o vilão. Filmes que você se identifica, filmes que tem o objetivo de emocionar e não apenas lucrar. Estão desumanos, superficiais e irrelevantes. Talvez porque esse mercado está cada vez mais disputado e a nova regra tornou-se: chamar atenção para ganhar dinheiro. Espero que seja apenas uma fase. Senão terei que fugir para o México junto com todos os filmes desprezados.