"Pois estragar a própria vida é um direito inalienável"

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Lançamento DVD Maria Gadú dia 27/10

Abalou!!! Acho que vou ter um treco!!!
olha aew:

"Maria Gadú é uma das maiores revelações da MPB dos últimos anos. A cantora começou a se destacar no cenário musical em 2008, quando começou a tocar em bares da Barra da Tijuca e da Zona Sul, no Rio de Janeiro. A partir daí, despertou a atenção de famosos ligados ao meio musical, como Caetano Veloso, Milton Nascimento, João Donato, dentre outros. Convidada pelo diretor Jayme Monjardim para interpretar "Ne me quitte pas", na minissérie "Maysa - Quando Fala o Coração" chamou atenção da Rede Globo e da gravadora Som Livre que a contratou e lançou seu primeiro álbum homônimo em 2009.
Maria Gadú parte para um novo desafio: gravar seu primeiro DVD. Em parceria com o canal Multishow e a gravadora Som Livre, a cantora registrou o show que realizou durante um ano por todo o Brasil para a faixa "Multishow - Ao Vivo". O show inclui novas músicas e participações especiais, como Os Varandistas, Leandro Léo e Sandy.O Multishow exibe a apresentação com exclusividade dia 26 de outubro, às 22h. No dia seguinte, o DVD será lançado nas lojas de todo país." fonte: lounge da gadu
video
Dona Cila -Maria Gadu
Conheci seu trabalho através de Maisa Matarazzo. Estava ouvindo “Ne me quitte pas”, música que ficou famosa na abertura de “Presença de Anita”, e resolvi procurar por outras versões e acabei esbarrando com a da Gadu. Procurei mais material e baixei o CD. Apaixonei-me pela sua voz e suas músicas. Tive a oportunidade de ir a dois shows e posso garantir que foram os dois mais belos que já vi. 

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Fear

Acordar um dia e se dar conta que parou no tempo, de evoluir, sentir vergonha disso... talvez tenha sido o pior que me ocorreu nos últimos tempos. Descobri que tenho a necessidade de sempre ter um desafio, um obstáculo para superar. Não suporto mais esses dias relaxados. Eu preciso passar por algumas mudanças, mas só de pensar nisso sinto medo. Medo das mudanças não serem necessariamente para melhor, de perder muita coisa que gosto. Plantei sementes há muito tempo, mas agora, na hora de colhe-las, não as quero. Ou melhor... tenho medo do que se tornaram. Então continuo presa nesses dias calmos não por opção, mas por medo do que está por vir.